quarta-feira, 20 de agosto de 2014

AS MÃOS DE DEUS





Quem é Deus?

Deus é Alá, Jeová, Ganesha, Rá,...?
Diferentes épocas, diferentes povos, diferentes deuses, ou apenas um Deus?
De que Deus são as "mãos" em que depositas confiadamente a tua vida?
Quantas atrocidades se cometeram e cometem ainda em nome de Deus?
Acreditas nesse teu deus, apenas porque nascestes na Europa, na Ásia, em África ou na América, e foi assim que te ensinaram?
Perguntam os céticos, os ateus e os agnósticos, por que razão morrem crianças de fome, de cancro, vítimas de guerras ou maus tratos, se Deus é perfeito.
Perguntam, também, por que razão criou Deus homens imperfeitos, cruéis ou falsos, se ele próprio é perfeito. 
As respostas, a estas questões, aparentemente simples, não são fáceis.
Podemos dar respostas simplistas, as quais nunca convencerão ninguém. Ou podemos fazer à moda da Inquisição e aterrorizar todos os que não concordam connosco.
Mas, a fé é algo demasiadamente complexo para ser explicado a alguém que não a sinta. 
No entanto, as respostas fundamentais são simples, mas não, de forma alguma, simplistas.
Quantas vezes tu, fervoroso cristão, judeu, hindu, muçulmano,..., te rebelaste, já, contra aquilo que associas ser a vontade de Deus ou contra Ele próprio?
Quantas vezes te escudaste nas palavras decoradas, de qualquer dos livros sagrados, para não teres que pôr em causa a tua própria fé, os valores por que te reges ou as opções que tomaste ao longo da vida?
Dizem alguns que a fé é o ópio do povo, porque conduz à resignação dos crentes, quando confrontados com o sofrimento, mesmo que este seja causado por outros, quantas vezes de forma cruel e desumana. 
Deus não pode ser desculpa, nem desresponsabilização. Não pode ser um escudo com que te proteges para não enfrentar a verdade, as tuas inseguranças e medos ou a ti próprio e à "condição humana".
Em cada instante da tua vida, fazes escolhas, tomas decisões. Em cada instante da tua vida escavas a vala da tua tristeza, amargura ou desilusão. Da mesma forma que constróis o "castelo" da tua felicidade, alegria e satisfação.
Se deus for Deus, ele apenas te mostrará os caminhos e aguardará a tua decisão...Caminhando ao teu lado, mostrar-te-á soluções, dar-te-á, momentos de paz, fará descer seus Anjos para te apoiarem, mas nunca contrariará as tuas decisões.
Simples, assim..... Porque a vida é um Caminho cheio de desejos, momentos, desilusões, sonhos, afetos, erros, frustrações, dores e traições, enganos e tropeços, alegrias e paixões,...
Não acreditas em Anjos? Então, quem eram aqueles que te apoiaram nos momentos em que julgaste estar só, incapaz já de suportar a dor, ou ganhar ânimo para enfrentar os problemas, e que depois saíram da tua vida de mansinho, tal como tinham entrado, deixando-te apenas uma reconfortante sensação de que nunca estiveste sozinho?
Quando a tua fé, ou o teu deus, faz de ti um ser intolerante, cruel, fanático ou que olha os demais, que não estão de acordo contigo, como ser desprezíveis ou insignificantes, o que faz de ti essa fé, ou esse deus?

O que pensas serem as formas de Deus ou os deuses se manifestarem?

Imaginas Deus como um homem semelhante a ti, ou vê-lo como algo um pouco indefinido, formado de essência e energia?


Quem é então, para ti, esse Deus, em cujo ombro reclinas tua cabeça cansada, em cujas mãos entregas tua vida?

Para te ajudar a refletir sobre o teu Deus, a tua Fé, o teu Caminho, partilho pequenos extratos da essência de algumas religiões ou filosofias espirituais.

E não deixe de ler 
O próprio caminho é o objetivo!




1 Coríntios 13
1 ¶ Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
2 E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
3 E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
4 ¶ O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
5 Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
6 Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;

7 Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.


Tiago 2:14-26O Livro (OL)

Fé sem obras é morta
14 Meus irmãos, que interessa se alguém disser que tem fé em Deus, e não fizer prova disso através de obras? Esse tipo de fé não salva ninguém. 15 Se um irmão ou irmã sofrer por falta de vestuário, ou por passar fome, 16 e se vocês lhe disserem: “Procure mas é viver pacificamente, e vá-se aquecendo e comendo como puder”, e se não lhe derem aquilo de que ele precisa para viver, uma tal resposta fará algum bem? 17 Assim também a fé cristã, se não se traduzir em atos, é morta em si mesma.
18 Poderá até dizer-se: “Você tem a fé; mas eu tenho obras. Mostre-me então a sua fé sem obras. Porque eu dou-lhe a prova da minha fé, através das minhas boas obras!”
19/20 Você crê que há um só Deus? Está muito certo. Mas lembre-se que os demónios também creem o mesmo, e tremem. Você é uma pessoa bem insensata se não conseguir compreender que a fé sem atos de nada vale.



 Os 5 Pilares do Islamismo
  1. o credo (chahada)
  2. a oração (salat)
  3. a caridade (zakat) - O muçulmano é obrigado a praticar a caridade, ajudando os mais pobres. Além de reduzir as desigualdades sociais, a caridade também serve para purificar o crente de seu egoísmo.
  4. o jejum (sawm)
  5. a peregrinação (hadj)

Roda Samsara



Carma: lei de causa e efeito
Carma no budismo 

Tradicional thangka do budismo tibetano alusivo à "Roda da Vida", com seus seis reinos. 

No budismo, o Carma (do sânscrito कर्म, transl. karmam, e em pali, kamma, "ação") é a força de samsara sobre alguém. Boas ações (páli: kusala), e/ou ações ruins (páli: akisala) geram "sementes" na mente, que virão a aflorar nesta vida ou em um renascimento subsequente. Com o objetivo de cultivar as ações positivas, o sila é um conceito importante do budismo, geralmente, traduzido como "virtude", "boa conduta", "moral" e "preceito". 
O carma, na filosofia budista, refere-se especificamente a essas ações (do corpo, da fala e da mente) que brotam da intenção mental (páli: cetana) e que geram consequências (frutos) e/ou resultados (vipaka). Cada vez que uma pessoa age, há alguma qualidade de intenção em sua mente e essa intenção muitas vezes não é demonstrada pelo seu exterior, mas está em seu interior e este determinará os efeitos dela decorrentes.


Hinduísmo

O hindu acredita na reencarnação das almas, depois da morte, segundo os méritos.
Acredita também na possibilidade de libertação do homem do ciclo da reencarnação. A ética hinduísta consiste em quatro noções: é preciso aspirar à virtude, mesmo em detrimento de certos bens materiais; a virtude é a prática da não-violência; tem que sofrer pelos outros; e os vícios conduzem ao destino demoníaco que é a vida transmigrante.


Taoísmo


道 可 道, 非常 道.
"O caminho que pode ser descrito não é o verdadeiro caminho."
(O tao (caminho ou o caminho) pode ser dito, não da forma usual.)

名 可 名, 非常 名.
"O nome que pode ser nomeado não é o nome constante."
(Os nomes podem ser citados, os nomes não usuais.)

Tao, literalmente, significa "caminho" ou "o caminho" e pode significar figuradamente "natureza essencial", "destino", "princípio", ou "caminho verdadeiro". O filosófico e religioso tao é infinito, sem qualquer limitação. Um ponto de vista afirma que a abertura paradoxal destina-se a preparar o leitor para os ensinamentos sobre o tao não ensinável. Acredita-se que o tao é transcendente, indistinto e sem forma. Por isso, não pode ser nomeado ou categorizado. Mesmo a palavra "tao" pode ser considerada uma perigosa tentação de fazer do tao um nome limitador.



Fontes: Wikipédia - Biblia online

Sem comentários:

Enviar um comentário

Os seu comentários, sugestões, pedidos de partilha, etc. são, para além de muito bem-vindos, essenciais para que seja possível atingir os objetivos para os quais este blog foi criado.