quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Exame de Consciência



      



Desde que me lembro, sempre gostei de observar e analisar o mundo e as pessoas à minha volta, acima de tudo, para as tentar compreender e ajudar. Mas, penso que essa é uma atividade extraordinariamente difícil de realizar se, antes de mais, não for capaz de me observar e analisar a mim própria.

José Ramos - Nature & Landscape Photography


Por essa razão, sou a minha maior crítica e mais severa juíza. Analiso, por vezes até à exaustão, as minhas atitudes, opções e motivações, procurando determinar até que ponto são verdadeiras, justas ou coerentes.
A criação deste blog obedeceu a uma motivação, valor e modo de estar na vida, que se prende com o acreditar que a união entre as pessoas é a fórmula secreta para solucionar quase todos os problemas.
Mas, questiono-me eu, por que razão tenho eu esta necessidade de tentar tocar o coração dos outros, de tentar uni-los, ou ajudá-los, como se essa fosse a minha grande missão na vida?
Será que tenho necessidade de protagonismo? Será que quando tento ser solidária, pretendo ganhar dividendos, tais como reconhecimento, ou ser vista como uma pessoa "especial"?
Será que este espírito de missão é de facto genuíno, ou não passa apenas de uma outra forma de egoísmo, uma tentativa de compensar inseguranças ou carências?
Quando ajudo alguém, será que fico a dar palmadinhas nas minhas costas, dizendo, de mim para mim, "És tão boa pessoa?"
Suponho que sempre terei dúvidas quanto às, absolutamente  verdadeiras, respostas a estas questões, pois, todos nós somos dicotómicos, todos gostamos que nos apreciem, valorizem e gostem de nós.  
Assim, provavelmente, quaisquer que sejam as nossas atitudes, ações ou missões, elas serão sempre originadas por um conjunto de motivações e não apenas obedecendo a uma única e exclusiva razão.
Contudo, penso que, qualquer que seja o conjunto de motivações que nos move, no final, o que é verdadeiramente importante é se, de alguma forma, contribuímos para que nós próprios e o mundo à nossa volta nos tornemos um pouco melhores, mais felizes, mais evoluídos, mais sábios....
Não seremos anjos, mas tampouco somos demónios. O que melhor nos define são as nossas escolhas e a consciência que temos delas e das suas consequências.
As nossas explosões de bondade, ou de maldade, são apenas picos momentâneos. Mas, a manutenção coerente de valores, princípios, dedicação, atitudes, entrega ou doação, ao longo da nossa caminhada, essa, sim, é a nossa verdadeira essência.

José Ramos - Nature & Landscape Photography


Portanto, ainda  que originadas por motivações ambivalentes, o que é verdadeiramente importante é persistir em dar o melhor de nós próprios, seja o que for a que nos dediquemos. Certos de que se fizermos bem o nosso papel, na nossa equipa, esta será sempre uma equipa vencedora.


UBUNTU - “Eu sou porque nós somos”

Sem comentários:

Enviar um comentário

Os seu comentários, sugestões, pedidos de partilha, etc. são, para além de muito bem-vindos, essenciais para que seja possível atingir os objetivos para os quais este blog foi criado.